Da mesma forma, deixem a luz de vocês brilhar diante dos outros, para que eles possam ver as suas boas obras e glorifiquem o Pai de vocês que está no céu. Mateus 5.16
Leitura diária na versão Novo testamento Versão Palavra Viva/Velho testamento Bíblia Viva - Português


1 Samuel 11
1 Samuel 12
1 Samuel 13
Marcos 11.1-26

1 Samuel 11


1
NESSE TEMPO NAÁS levou o exército dos amonitas contra a cidade israelita de Jabes-Gileade. Porém os moradores de Jabes pediram paz. "Deixe-nos em paz, e nós seremos seus servidores", eles pediram.
2
"Está bem", disse Naás, "mas somente sob uma condição: eu arrancarei o olho direito de todos vocês, como vergonha sobre todo o Israel!"
3
"Dê-nos sete dias para ver se conseguimos algum auxílio mandando recados para o restante de Israel," responderam as autoridades de Jabes. "Se nenhum dos nossos irmãos vier salvar-nos, nós aceitaremos suas condições."
4
Chegando um mensageiro a Gibeá, a cidade onde Saul morava, contou ao povo a respeito da situação em que se encontravam os de Jabes. E todos começaram a chorar.
5
Saul estava arando a terra no campo, e quando voltou à cidade, perguntou: "O que aconteceu? Por que toda a gente está chorando? " Então contaram a ele a respeito da mensagem que veio de Jabes.
6
E o Espírito de Deus tomou conta de Saul, e ele ficou muito zangado.
7
Pegou dois bois e os cortou em pedaços e mandou mensageiros levarem os pedaços por todo o território de Israel. "Isto é o que vai acontecer aos bois de todo aquele que não quiser seguir a Saul e Samuel na batalha!" anunciou Saul. E Deus fez com que o povo tivesse medo da ira de Saul, e todos vieram a ele como um só homem.
8
Saul contou os homens em Bezeque e viu que havia trezentos mil deles, além de trinta mil homens de Judá.
9
Em vista disso, mandou os mensageiros de volta a Jabes-Gileade, com este recado: "Nós iremos salvar vocês amanhã, antes do meio-dia!" Foi enorme a alegria do povo quando os mensageiros chegaram com a notícia!
10
Então os homens de Jabes disseram aos seus inimigos: "Vamos render-nos. Amanhã nos entregaremos a vocês, e vocês podem fazer conosco o que desejarem".
11
Mas bem cedo, na manhã seguinte, Saul chegou. Ele dividiu o seu exército em três companhias, e atacou de surpresa os amonitas e os matou durante a manhã toda. O restante do exército amonita se espalhou de tal maneira, que não ficaram dois juntos.
12
Então o povo disse a Samuel: "Onde estão aqueles que diziam que Saul não seria nosso rei? Tragam esses homens aqui e vamos matá-los!"
13
Porém Saul respondeu: "Ninguém será morto hoje; porque hoje o Senhor salvou a Israel!"
14
Então Samuel disse ao povo: "Venham, vamos todos a Gilgal, e confirmemos a Saul novamente como nosso rei."
15
Assim foram a Gilgal, e numa bonita cerimônia diante do Senhor eles puseram a coroa sobre a cabeça de Saul. Depois apresentaram ofertas de paz ao Senhor, e Saul e todo o Israel estavam muito felizes.

topo

1 Samuel 12


1
SAMUEL FALOU novamente ao povo: "Vejam," disse ele, "fiz conforme vocês pediram. Dei-lhes um rei.
2
Escolhi esse homem, passando para trás meus próprios filhos, e agora aqui estou, velho e de cabelos brancos; sou homem que estive a serviço do público, desde meus tempos de rapaz.
3
Agora me digam, enquanto estou diante do Senhor e diante do rei ungido de Deus - De quem furtei um boi ou um jumento? Alguma vez dei prejuízo a alguém? Alguma vez oprimi alguém? De quem recebi dinheiro para fazer o que não era certo? Digam-me, e corrigirei qualquer erro que eu tenha cometido."
4
"Não", responderam eles, "você nunca deu prejuízo a nenhum de nós, nem nos oprimiu de qualquer maneira, e nunca recebeu dinheiro algum para favorecer uma pessoa e prejudicar outra."
5
"O Senhor e o rei ungido de Deus são minhas testemunhas", declarou Samuel, "de que vocês não podem me acusar de qualquer roubo." "Sim, é a pura verdade," responderam.
6
Testemunha disso é o Senhor, que escolheu a Moisés e Aarão," continuou Samuel. "Foi Ele quem tirou os seus pais da terra do Egito.
7
"Agora fiquem aqui em silêncio perante o Senhor, enquanto vou lembrar todas as boas coisas que Ele fez para defender a causa de vocês e de seus pais.
8
"Quando os israelitas estavam no Egito e clamaram ao Senhor, Ele enviou Moisés e Aarão para os trazerem a esta terra.
9
Mas logo eles se esqueceram do Senhor seu Deus, e assim Ele permitiu que fossem conquistados por Sísera, comandante do exército do rei Hazor, pelos filisteus e pelo rei de Moabe.
10
"Eles então clamaram novamente ao Senhor e confessaram que haviam pecado quando se apartaram dEle e adoraram as imagens de Baal e de Astarote. E prometeram: 'Adoraremos ao Senhor e ao Senhor somente, se nos livrar dos nossos inimigos'.
11
Então o Senhor enviou a Gideão, a Baraque, a Jefté e a Samuel para livrar vocês, e vocês viverem em segurança.
12
"Mas quando vocês ficaram com medo de Naás, rei de Amom, aí me procuraram e disseram que desejavam um rei para reinar sobre vocês. Porém o Senhor já era Rei de vocês, pois Ele sempre foi o seu Rei.
13
Pois bem, aqui está o rei que vocês escolheram. Olhem bem para ele. Vocês o pediram, e o Senhor respondeu ao pedido que fizeram.
14
"Se vocês respeitarem e adorarem ao Senhor e obedecerem aos seus mandamentos e não se rebelaram contra o Senhor, e se tanto vocês como o seu rei seguirem ao Senhor seu Deus, então tudo irá bem.
15
Mas se vocês se rebelarem contra os mandamentos do Senhor e não quiserem atender ao que Ele diz, então a mão do Senhor será tão pesada sobre vocês, como foi sobre seus pais.
16
"Agora vejam enquanto o Senhor faz grandes milagres.
17
Vocês sabem que não chove nesta época do ano, durante a colheita do trigo; vou orar para que o Senhor envie trovões e chuva hoje, de maneira que vocês reconheçam até que ponto chegou a maldade de vocês ao pedirem um rei!"
18
Então Samuel pediu ao Senhor, e o Senhor mandou trovões e chuva; e todo o povo ficou com muito medo do Senhor, e de Samuel.
19
"Ore a nosso favor para que não morramos!" eles clamaram a Samuel. "Porque agora acrescentamos a todos os nossos pecados, mais este de pedir para nós um rei."
20
"Não fiquem amedrontados", disse Samuel ao povo. "Certamente vocês erraram, mas agora adorem ao Senhor com verdadeiro entusiasmo, e nunca mais virem as costas para Ele.
21
Os outros deuses não podem ajudar vocês; não têm nenhum valor.
22
O Senhor não abandonará o seu povo escolhido, pois isso seria uma desonra para o seu poderoso nome. Ele fez de vocês uma nação especial para Ele - simplesmente porque Ele quis!
23
"Quanto a mim, longe de mim esteja que eu cometa pecado contra o Senhor, deixando de orar em favor de vocês; continuarei a ensinar a vocês tudo quanto for bom e direito.
24
"Confiem no Senhor, e adorem a Ele com sinceridade; pensem nas grandes coisas que Ele fez por vocês.
25
Mas se continuarem a pecar, vocês e o seu rei serão destruídos."

topo

1 Samuel 13


1
FAZIA UM ANO que Saul era rei. No segundo ano do seu reinado
2
escolheu três mil soldados especiais e levou consigo dois mil desses homens a Micmás e ao Monte Betel, enquanto os outros mil ficaram com Jônatas, filho de Saul, em Gibeá, na terra de Benjamim. Mandou o restante do exército para casa.
3
Jônatas atacou e destruiu a guarnição dos filisteus localizada em Geba. A notícia se espalhou rapidamente por toda a terra dos filisteus, e Saul mandou tocar a trombeta por toda a terra de Israel, anunciando que havia destruído a guarnição dos filisteus, e ao mesmo tempo avisava as tropas israelitas que elas eram odiadas pelos filisteus. Assim, todo o exército de Israel pegou em armas novamente e se reuniu em Gilgal.
5
Os filisteus formaram um poderoso exército de três mil carros de guerra, seis mil cavaleiros e tantos soldados como a areia da praia, e se acamparam em Micmás, que fica ao leste de Bete-Aven.
6
Quando os homens de Israel viram aquela enorme quantidade de soldados inimigos, perderam a coragem por completo e procuraram esconder-se nas cavernas, nas moitas, nos esconderijos, entre as rochas, e mesmo nos túmulos e nos poços.
7
Alguns deles atravessaram o rio Jordão e fugiram para a terra de Gade e Gileade. Enquanto isto, Saul ficou em Gilgal, e os que estavam com ele tremiam de medo.
8
Samuel havia dito a Saul que esperasse a sua chegada durante sete dias, mas como Samuel não tinha vindo, os soldados começaram a debandar rapidamente.
9
Em vista disso, o próprio Saul resolveu apresentar o sacrifício queimado e as ofertas de paz.
10
Mas, justamente quando ele terminava, Samuel chegou. Saul saiu para encontrá-lo e receber a sua bênção
11
porém Samuel perguntou: "Que é isto que você fez?" "Bem", respondeu Saul, ''quando vi que meus homens se iam espalhando daqui, e que você não chegava no prazo marcado, e os filisteus estavam em Micmás, prontos para a batalha
12
eu disse para mim mesmo: 'Os filisteus estão prontos para marchar contra nós, e eu não pedi o auxílio do Senhor!' Por isso, contra a minha vontade, ofereci o sacrifício queimado, sem esperar a sua chegada."
13
"Louco!" exclamou Samuel. "Você desobedeceu ao mandamento do Senhor seu Deus. Ele tinha planos de fazer você e seus filhos reis de Israel para sempre
14
mas agora esses planos vão terminar. O Senhor quer um homem que obedeça ao que Ele diz. E Ele descobriu o homem que deseja, e já o indicou como rei sobre o seu povo; pois você não obedeceu ao mandamento do Senhor."
15
Então Samuel saiu de Gilgal e foi para Gibeá, na terra de Benjamim. Quando Saul contou os soldados que ainda estavam com ele, verificou que haviam ficado somente uns seiscentos homens!
16
Saul, Jônatas e mais esses seiscentos homens estabeleceram seu acampamento em Geba, na terra de Benjamim; porém os filisteus permaneceram em Micmás.
17
Três batalhões de atacantes deixaram o acampamento dos filisteus; um deles foi em direção de Ofra, na terra de Saul;
18
outro foi para Bete-Horom, e o terceiro tomou o caminho da fronteira, acima do vale de Zeboim, próximo ao deserto.
19
Não havia nenhum ferreiro em toda a terra de Israel naqueles dias, pois os filisteus não permitiam, temendo que eles fabricassem espadas e lanças para os hebreus.
20
Assim, sempre que os israelitas tinham de afiar as peças de ferro dos seus arados, os machados ou as enxadas, era preciso levar essas ferramentas aos ferreiros filisteus.
21
As ferramentas dos israelitas estavam todas cegas, não cortavam nada, e não se podia aguçar nem mesmo uma simples ponta de aguilhão.
22
Por isso não havia uma única espada ou lança em todo o exército de Israel naquele dia; somente Saul e Jônatas é que tinham espadas e lanças.
23
Nesse meio tempo, o desfiladeiro de Micmás caiu em poder dos filisteus.

topo

Marcos 11

1-26
1
Quando Jesus e seus discípulos estavam chegando perto de Jerusalém, eles chegaram às vilas de Betfagé e Betânia, no monte das Oliveiras. Jesus enviou dois dos seus discípulos na frente
2
e falou para eles: “Entrem naquela vila ali e na hora que entrarem, vocês encontrarão um jumentinho amarrado que nunca foi montado. Desamarrem o animal e tragam ele aqui.
3
Se alguém perguntar a vocês: ‘Por que vocês estão fazendo isso?’, falem: ‘O Senhor precisa dele e vai devolver logo’ ”.
4
Então os dois discípulos saíram e encontraram o jumentinho na rua, amarrado na frente de uma casa.
5
Enquanto eles estavam desamarrando-o, algumas pessoas que estavam por perto perguntaram: “O que vocês estão fazendo desamarrando este jumentinho?”
6
Eles responderam exatamente como Jesus tinha falado, e as pessoas os deixaram ir.
7
Então eles levaram o jumentinho para Jesus e colocaram suas capas sobre ele, e Jesus montou nele.
8
Muitos da multidão estenderam suas capas no caminho, e outras espalharam ramos com folhas que cortaram nos campos.
9
Tantos os que iam na frente como os que vinham atrás, gritavam: “Hosana (Por favor, salva-nos agora)! Abençoado é aquele que vem em nome do Senhor!
10
Abençoado é o reino do nosso pai Davi que está vindo! Hosana nas alturas (Ó, você que vive no céu, por favor, salva-nos agora)!”
11
Então Jesus entrou em Jerusalém, foi até o templo e entrou. E depois que olhou tudo ao seu redor, saiu, porque já era tarde, e foi até Betânia com os doze discípulos.
12
No dia seguinte, quando eles estavam saindo, Jesus teve fome.
13
E vendo de longe uma figueira que estava cheia de folhas, ele foi até ela para ver se achava alguns figos. Quando chegou lá, não achou nada, a não ser folhas, porque ainda não era o tempo de figos.
14
Então Jesus falou para árvore: “Que nunca mais ninguém coma dos seus frutos!” E os discípulos ouviram isso.
15
Quando eles chegaram a Jerusalém, Jesus entrou no templo e começou a expulsar todos os que estavam comprando e vendendo mercadoria dentro do templo. Ele virou as mesas dos que trocavam dinheiro e as cadeiras daqueles que vendiam pombas.
16
E ele não deixava ninguém atravessar o pátio do templo carregando qualquer coisa.
17
E ele ensinava a todos assim: “Não está escrito: ‘Minha casa será chamada casa de oração para todas as nações’? Mas vocês têm feito dela um abrigo de ladrões”.
18
E os líderes dos sacerdotes e os professores da lei ouviram o que Jesus tinha feito e começaram procurar uma maneira de matá-lo, pois eles tinham medo dele, porque toda a multidão estava muito admirada com seus ensinamentos.
19
Naquela noite, Jesus e seus discípulos saíram da cidade.
20
No dia seguinte, na parte da manhã, eles passaram pela figueira que Jesus tinha amaldiçoado e viram que ela tinha secado até a raiz.
21
E Pedro se lembrou do que Jesus tinha dito à árvore no dia anterior e exclamou: “Olha aí, Mestre! A figueira que você amaldiçoou secou!”
22
Então, Jesus falou para seus discípulos: “Tenham fé em Deus.
23
Eu falo a verdade a vocês: Quem falar para este monte: ‘Levante-se e jogue-se no mar’, e não duvidar no seu coração, mas crer que acontecerá o que falou, então isso será feito por ele.
24
Por esta razão eu falo a vocês, qualquer coisa que pedirem em oração, creiam que já receberam, e tudo lhes será dado.
25
E quando vocês estiverem orando, se tiverem algo contra alguém, perdoem essa pessoa, para que seu Pai no céu possa perdoar suas ofensas também.
26
[Se vocês não perdoarem os outros, o seu Pai, que está no céu, não perdoará as ofensas de vocês.]”

topo
Participe da nossa comunidade
Facebook
Twitter