Este é o dia em que o Senhor agiu; alegremo-nos e exultemos neste dia. Salmo 118.24
Leitura diária na versão Nova Versão Internacional - Portugués


1 Samuel 20
1 Samuel 21
1 Samuel 22
Marcos 14.1-26

1 Samuel 20


1
Depois Davi fugiu de Naiote, em Ramá, foi falar com Jônatas e lhe perguntou: "O que foi que eu fiz? Qual é o meu crime? Qual foi o pecado que cometi contra seu pai para que ele queira tirar a minha vida?"
2
"Nem pense nisso", respondeu Jônatas; "você não será morto! Meu pai não fará coisa alguma sem antes me avisar, seja importante ou não. Por que ele iria esconder isso de mim? Não é nada disso!"
3
Davi, contudo, fez um juramento e disse: "Seu pai sabe muito bem que eu conto com a sua simpatia, e pensou: "Jônatas não deve saber disso para não se entristecer". No entanto, eu juro pelo nome do Senhor e por sua vida que estou a um passo da morte".
4
Jônatas disse a Davi: "Eu farei o que você achar necessário".
5
Então disse Davi: Amanhã é a festa da lua nova, e devo jantar com o rei; mas deixe que eu vá esconder-me no campo até o final da tarde de depois de amanhã.
6
Se seu pai sentir minha falta, diga-lhe: Davi insistiu comigo que lhe permitisse ir a Belém, sua cidade natal, por causa do sacrifício anual que está sendo feito lá por todo o seu clã.
7
Se ele disser: "Está bem", então seu servo estará seguro. Se ele, porém, ficar muito irado, você pode estar certo de que está decidido a me fazer mal.
8
Mas seja leal a seu servo, porque fizemos um acordo perante o Senhor. Se sou culpado, mate-me você mesmo! Por que entregar-me a seu pai?
9
Disse Jônatas: "Nem pense nisso! Se eu tiver a menor suspeita de que meu pai está decidido a matá-lo, certamente o avisarei!"
10
Davi perguntou: "Quem irá contar-me, se seu pai lhe responder asperamente?"
11
Jônatas disse: "Venha, vamos ao campo". Eles foram,
12
e Jônatas disse a Davi: Pelo Senhor, o Deus de Israel, prometo que sondarei meu pai, a esta hora, depois de amanhã! Saberei se as suas intenções são boas ou não para com você, e mandarei avisá-lo.
13
E, se meu pai quiser fazer-lhe mal, que o Senhor me castigue com todo o rigor, se eu não lhe informar disso e não deixá-lo ir em segurança. O Senhor esteja com você assim como esteve com meu pai.
14
Se eu continuar vivo, seja leal comigo, com a lealdade do Senhor; mas se eu morrer,
15
jamais deixe de ser leal com a minha família, mesmo quando o Senhor eliminar da face da terra todos os inimigos de Davi.
16
Assim Jônatas fez uma aliança com a família de Davi, dizendo: "Que o Senhor chame os inimigos de Davi para prestarem contas".
17
E Jônatas fez Davi reafirmar seu juramento de amizade, pois era seu amigo leal.
18
Então Jônatas disse a Davi: Amanhã é a festa da lua nova. Vão sentir sua falta, pois sua cadeira estará vazia.
19
Depois de amanhã, vá ao lugar onde você se escondeu quando tudo isto começou, e espere junto à pedra de Ezel.
20
Atirarei três flechas para o lado dela, como se estivesse atirando num alvo,
21
e mandarei um menino procurar as flechas. Se eu gritar para ele: As flechas estão mais para cá, traga-as aqui, você poderá vir, pois juro pelo nome do Senhor que você estará seguro; não haverá perigo algum.
22
Mas, se eu gritar para ele: Olhe, as flechas estão mais para lá, vá embora, pois o Senhor o manda ir.
23
Quan­to ao nosso acordo, o Senhor é testemunha entre mim e você para sempre.
24
Então Davi escondeu-se no campo. Quando chegou a festa da lua nova, o rei sentou-se à mesa.
25
Ocupou o lugar de costume, junto à parede, em frente de Jônatas, [68]e Abner sentou-se ao lado de Saul, mas o lugar de Davi ficou vazio.
26
Saul não disse nada naquele dia, pois pensou: "Algo deve ter acontecido a Davi, deixando-o cerimonialmente impuro. Com certeza ele está impuro".
27
No dia seguinte, o segundo dia da festa da lua nova, o lugar de Davi continuou vazio. Então Saul perguntou a seu filho Jônatas: "Por que o filho de Jessé não veio para a refeição, nem ontem nem hoje?"
28
Jônatas respondeu: Davi me pediu, com insistência, permissão para ir a Belém,
29
dizendo: "Deixe-me ir, pois nossa família oferecerá um sacrifício na cidade, e meu irmão ordenou que eu estivesse lá. Se conto com a sua simpatia, deixe-me ir ver meus irmãos". Por isso ele não veio à mesa do rei.
30
A ira de Saul se acendeu contra Jônatas, e ele lhe disse: Filho de uma mulher perversa e rebelde! Será que eu não sei que você tem apoiado o filho de Jessé para a sua própria vergonha e para vergonha daquela que o deu à luz?
31
Enquanto o filho de Jessé viver, nem você nem seu reino serão estabelecidos. Agora mande chamá-lo e traga-o a mim, pois ele deve morrer!
32
Jônatas perguntou a seu pai: "Por que ele deve morrer? O que ele fez?"
33
Então Saul atirou sua lança contra Jônatas para matá-lo. E assim Jônatas viu que seu pai estava mesmo decidido a matar Davi.
34
Jônatas levantou-se da mesa muito irado; naquele segundo dia da festa da lua nova ele não comeu, entristecido porque seu pai havia humilhado Davi.
35
Pela manhã, Jônatas saiu ao campo para o encontro combinado com Davi. Levava consigo um menino
36
e lhe disse: "Vá correndo buscar as flechas que eu atirar". O menino correu, e Jônatas atirou uma flecha para além dele.
37
Quando o menino chegou ao lugar onde a flecha havia caído, Jônatas gritou: A flecha não está mais para lá?
38
Vamos! Rápido! Não pare! O menino apanhou a flecha e voltou
39
sem saber de nada, pois somente Jônatas e Davi sabiam do que tinham combinado.
40
Então Jônatas deu suas armas ao menino e disse: "Vá, leve-as de volta à cidade".
41
Depois que o menino foi embora, Davi saiu do lado sul da pedra e inclinou-se três vezes perante Jônatas com o rosto em terra. Então despediram-se beijando um ao outro e chorando; Davi chorou ainda mais do que Jônatas.
42
E ele disse a Davi: "Vá em paz, pois temos jurado um ao outro, em nome do Senhor, quando dissemos: O Senhor para sempre é testemunha entre nós e entre os nossos descendentes".
43
Então Davi partiu, e Jônatas voltou à cidade.

topo

1 Samuel 21


1
Davi foi falar com o sacerdote Aimeleque, em Nobe. Aimeleque tremia de medo quando se encontrou com ele, e perguntou: "Por que você está sozinho? Ninguém veio com você?"
2
Respondeu Davi: O rei me encarregou de uma certa missão e me disse: "Ninguém deve saber coisa alguma sobre sua missão e sobre as suas instruções". E eu ordenei aos meus soldados que se encontrassem comigo num certo lugar.
3
Agora, então, o que você pode oferecer-me? Dê-me cinco pães ou algo que tiver.
4
O sacerdote, contudo, respondeu a Davi: "Não tenho pão comum; somente pão consagrado; se os soldados não tiveram relações com mulheres recentemente, podem comê-lo".
5
Davi respondeu: "Certamente que não, pois esse é o nosso costume sempre que saímos em campanha. Não tocamos em mulher. Esses homens mantêm o corpo puro mesmo em missões comuns. Quanto mais hoje!"
6
Então, o sacerdote lhe deu os pães consagrados, visto que não havia outro além do pão da Presença, que era retirado de diante do Senhor e substituído por pão quente no dia em que era tirado.
7
Aconteceu que um dos servos de Saul estava ali naquele dia, cumprindo seus deveres diante do ­Senhor; era o edomita Doegue, chefe dos pastores de Saul.
8
Davi perguntou a Aimeleque: "Você tem uma lança ou uma espada aqui? Não trouxe minha espada nem qualquer outra arma, pois o rei exigiu urgência".
9
O sacerdote respondeu: "A espada de Golias, o filisteu que você matou no vale de Elá, está enrolada num pano atrás do colete sacerdotal. Se quiser, pegue-a; não há nenhuma outra espada". Davi disse: "Não há outra melhor; dê-me essa espada".
10
Naquele dia, Davi fugiu de Saul e foi procurar Aquis, rei de Gate.
11
Todavia os conselheiros de Aquis lhe disseram: "Não é este Davi, o rei da terra de Israel? Não é aquele acerca de quem cantavam em suas danças: "Saul abateu seus milhares, e Davi suas dezenas de milhares"?"
12
Davi levou a sério aquelas palavras e ficou com muito medo de Aquis, rei de Gate.
13
Por isso, na presença deles fingiu que estava louco; enquanto esteve com eles, agiu como um louco, riscando as portas da cidade e deixando escorrer saliva pela barba.
14
Aquis disse a seus conselheiros: Vejam este homem! Ele está louco! Por que trazê-lo aqui?
15
Será que me faltam loucos para que vocês o tragam para agir como doido na minha frente? O que ele veio fazer no meu palácio?

topo

1 Samuel 22


1
Davi fugiu da cidade de Gate e foi para a caverna de Adulão. Quando seus irmãos e a família de seu pai souberam disso, foram até lá para encontrá-lo.
2
Também juntaram-se a ele todos os que estavam em dificuldades, os endividados e os descontentes; e ele se tornou o líder deles. Havia cerca de quatrocentos homens com ele.
3
De lá Davi foi para Mispá, em Moabe, e disse ao rei de Moabe: "Posso deixar meu pai e minha mãe virem para cá e ficarem contigo até que eu saiba o que Deus fará comigo?"
4
E assim ele os deixou com o rei de Moabe, e lá eles ficaram enquanto Davi permaneceu na fortaleza.
5
Contudo, o profeta Gade disse a Davi: "Não fique na fortaleza. Vá para Judá". Então Davi foi para a floresta de Herete.
6
Saul ficou sabendo que Davi e seus homens tinham sido descobertos. Saul estava sentado, com a lança na mão, debaixo da tamargueira, na colina de Gibeá, com todos os seus oficiais ao redor,
7
e ele lhes disse: Ouçam, homens de Benjamim! Será que o filho de Jessé dará a todos vocês terras e vinhas? Será que ele os fará todos comandantes de mil e comandantes de cem?
8
É por isso que todos vocês têm conspirado contra mim? Ninguém me informa quando meu filho faz acordo com o filho de Jessé. Nenhum de vocês se preocupa comigo nem me avisa que meu filho incitou meu servo a ficar à minha espreita, como ele está fazendo hoje.
9
Entretanto, Doegue, o edomita, que estava com os oficiais de Saul, disse: Vi o filho de Jessé chegar em Nobe e encontrar-se com Aimeleque, filho de Aitube.
10
Aimeleque consultou o Senhor em favor dele; também lhe deu provisões e a espada de Golias, o filisteu.
11
Então o rei mandou chamar o sacerdote Aimeleque, filho de Aitube, e toda a família de seu pai, que eram os sacerdotes em Nobe, e todos foram falar com o rei.
12
E Saul disse: "Ouça agora, filho de Aitube". Ele respondeu: "Sim, meu senhor".
13
Saul lhe disse: "Por que vocês conspiraram contra mim, você e o filho de Jessé? Porque você lhe deu comida e espada, e consultou a Deus em favor dele, para que se rebelasse contra mim e me armasse cilada, como ele está fazendo?"
14
Aimeleque respondeu ao rei: Quem dentre todos os teus oficiais é tão leal quanto Davi, o genro do rei, capitão de sua guarda pessoal e altamente respeitado em sua casa?
15
Será que foi essa a primeira vez que consultei a Deus em favor dele? Certamente que não! Que o rei não acuse a mim, seu servo, nem a qualquer um da família de meu pai, pois seu servo nada sabe acerca do que está acontecendo.
16
O rei, porém, disse: "Com certeza você será morto, Aimeleque, você e toda a família de seu pai".
17
Em seguida o rei ordenou aos guardas que estavam ao seu lado: "Matem os sacerdotes do Senhor, pois eles também apóiam Davi. Sabiam que ele estava fugindo, mas nada me informaram". Contudo, os oficiais do rei recusaram erguer as mãos para matar os sacerdotes do Senhor.
18
Então o rei ordenou a Doegue: "Mate os sacerdotes", e ele os matou. E naquele dia, matou oitenta e cinco homens que vestiam túnica de linho.
19
Além disso, Saul mandou matar ­os habitantes de Nobe, a cidade dos sacerdotes: homens, mulheres, crianças, recém-nascidos, bois, jumentos e ovelhas.
20
Entretanto, Abiatar, filho de Aimeleque e neto de Aitube, escapou e fugiu para juntar-se a Davi,
21
e lhe contou que Saul havia matado os sacerdotes do Senhor.
22
Então Davi disse a Abiatar: Naquele dia, quando o edomita Doegue estava ali, eu sabia que ele não deixaria de levar a informação a Saul. Sou responsável pela morte de toda a família de seu pai.
23
Fique comigo, não tenha medo; o homem que está atrás de sua vida também está atrás da minha. Mas você estará a salvo comigo.

topo

Marcos 14

1-26
1
Faltavam apenas dois dias para a Páscoa e para a festa dos pães sem fermento. Os chefes dos sacerdotes e os mestres da lei estavam procurando um meio de flagrar Jesus em algum erro[58] e matá-lo.
2
Mas diziam: "Não durante a festa, para que não haja tumulto entre o povo".
3
Estando Jesus em Betânia, reclinado à mesa na casa de um homem conhecido como Simão, o leproso, aproximou-se dele certa mulher com um frasco de alabastro contendo um perfume muito caro, feito de nardo puro. Ela quebrou o frasco e derramou o perfume sobre a cabeça de Jesus.
4
Alguns dos presentes começaram a dizer uns aos outros, indignados: Por que este desperdício de perfume?
5
Ele poderia ser vendido por trezentos denários[59], e o dinheiro ser dado aos pobres. E a repreendiam severamente.
6
"Deixem-na em paz", disse Jesus. "Por que a estão perturbando? Ela praticou uma boa ação para comigo.
7
Pois os pobres vocês sempre terão com vocês, e poderão ajudá-los sempre que o desejarem. Mas a mim vocês nem sempre terão.
8
Ela fez o que pôde. Derramou o perfume em meu corpo antecipadamente, preparando-o para o sepultamento.
9
Eu lhes asseguro que onde quer que o evangelho for anunciado, em todo o mundo, também o que ela fez será contado em sua memória.
10
Então Judas Iscariotes, um dos Doze, dirigiu-se aos chefes dos sacerdotes a fim de lhes entregar Jesus.
11
A proposta muito os alegrou, e lhe prometeram dinheiro. Assim, ele procurava uma oportunidade para entregá-lo.
12
No primeiro dia da festa dos pães sem fermento, quando se costumava sacrificar o cordeiro pascal, os discípulos de Jesus lhe perguntaram: "Aonde queres que vamos e te preparemos a refeição da Páscoa?"
13
Então ele enviou dois de seus discípulos, dizendo-lhes: Entrem na cidade, e um homem carregando um pote de água virá ao encontro de vocês. Sigam-no
14
e digam ao dono da casa em que ele entrar: O Mestre pergunta: Onde é o meu salão de hóspedes, no qual poderei comer a Páscoa com meus discípulos?
15
Ele lhes mostrará uma ampla sala no andar superior, mobiliada e pronta. Façam ali os preparativos para nós.
16
Os discípulos se retiraram, entraram na cidade e encontraram tudo como Jesus lhes tinha dito. E prepararam a Páscoa.
17
Ao anoitecer, Jesus chegou com os Doze.
18
Quando estavam comendo, reclinados à mesa, Jesus disse: "Digo-lhes que certamente um de vocês me trairá, alguém que está comendo comigo".
19
Eles ficaram tristes e, um por um, lhe disseram: "Com certeza não sou eu!"
20
Afirmou Jesus: É um dos Doze, alguém que come comigo do mesmo prato.
21
O Filho do homem vai, como está escrito a seu respeito. Mas ai daquele que trai o Filho do homem! Melhor lhe seria não haver nascido.
22
Enquanto comiam, Jesus tomou o pão, deu graças, partiu-o, e o deu aos discípulos, dizendo: "Tomem; isto é o meu corpo".
23
Em seguida tomou o cálice, deu graças, ofereceu-o aos discípulos, e todos beberam.
24
E lhes disse: Isto é o meu sangue da aliança[60], que é derramado em favor de muitos.
25
Eu lhes afirmo que não beberei outra vez do fruto da videira, até aquele dia em que beberei o vinho novo no Reino de Deus.
26
Depois de terem cantado um hino, saíram para o monte das Oliveiras.

topo
Únete a nuestra comunidad
Facebook
Twitter